Você está aqui: Página Inicial Notícias Especial Saúde: atenção básica é porta de entrada para atendimento no SUS

05/08/2013 / 14:48

Especial Saúde: atenção básica é porta de entrada para atendimento no SUS

A saúde pública tem uma estrutura organizacional complexa, composta por órgãos das esferas federal, estadual e municipal. Dentro dessa estrutura está a atenção básica, considerada a porta de entrada preferencial do Sistema Único de Saúde (SUS), de acordo com o Ministério da Saúde (MS).

Compartilhar

Fotos: Irisvelton Silva e Karine Gomes | Ascom

Karine Gomes
Núcleo de Imprensa | Ascom

“O acesso ao atendimento com especialistas, cirurgias e outros procedimentos custeados pelo SUS devem ser iniciados a partir do encaminhamento emitido pelo médico da unidade de saúde em que o paciente se consultou”, informa Caryne Neves, diretora da Atenção Básica em Parauapebas, departamento responsável pelas Unidades Básicas de Saúde (UBS) e Unidade de Saúde da Família (USF).

Estrutura da atenção básica

Em Parauapebas, a atenção básica é estruturada em nove coordenações específicas para melhor atender à comunidade, sendo elas: saúde da mulher, da criança, do adolescente, do idoso, bucal, mental, da família e Programa de Agentes Comunitários de Saúde (Pacs); hanseníase e hiperdia.

De acordo com a diretora, no próximo mês de agosto será implantada uma nova coordenação voltada para a saúde do homem. Fazem parte ainda das responsabilidades da atenção básica todas as unidades básicas de saúde, a clínica de fisioterapia da prefeitura, o Centro de Atenção Psicossocial (Caps II) e as consultas com especialistas.

Unidades de Saúde

A rede pública de saúde conta com 13 unidades de saúde, realizando uma média de 90 mil atendimentos por mês. Elas são classificadas pelo MS como Unidade de Saúde da Família (USF) ou Unidade Básica de Saúde (UBS). O diferencial entre uma e outra está no serviço que os Agentes Comunitários de Saúde (ACS) realizam, neste caso, nas USFs, atuando como uma ponte de ligação entre a comunidade e os serviços de saúde.

Os ACSs realizam visitas periódicas nas residências dos bairros em que atuam, verificando a situação de saúde de crianças, gestantes e idosos, e colaborando no reforço de campanhas de saúde. Esses profissionais também orientam e encaminham os pacientes, de acordo com a necessidade de cada um.

Quanto ao atendimento realizado nas unidades de saúde, Caryne Neves afirma que a população encontra médicos nas áreas de clínica geral e ginecologia, assim como odontologistas e enfermeiros. Algumas contam com pediatra e nutricionista. “Todos os ciclos de vida são atendidos nas unidades de saúde”, informa Caryne Neves.

Tálita Nascimento, de 28 anos, está grávida de oito meses e faz o pré-natal na unidade de saúde da família do Bairro Novo Brasil. “Esse é o meu primeiro filho; me sinto segura com o atendimento que estou recebendo, pois a equipe daqui me orienta direitinho”, afirma a paciente.

Além do pré-natal, de atendimentos ginecológicos e odontológicos, as unidades de saúde contam também com serviços de coleta para exame Preventivo do Câncer de Colo do Útero (PCCU), farmácia, vacinação, palestras e campanhas preventivas.

CAPS II

Os pacientes que necessitam de serviços nas áreas de saúde mental contam com o atendimento realizado pelo Centro de Atenção Psicossocial (Caps II), que atualmente dispõe de dois psiquiatras, um clínico geral, um enfermeiro, um psicólogo, um terapeuta ocupacional e um arte educador compondo uma equipe multidisciplinar.

São mais de 450 pacientes cadastrados que se consultam, recebem remédios e participam de oficinas, atividades terapêuticas e físicas. Isabela Calixto é usuária do Caps desde 2006 e destaca a sua evolução com o tratamento. “Antes eu precisava de acompanhante, mas hoje eu venho sozinha, pois aprendi a fazer crochê e biscuit”, explica.

De acordo com Caryne Neves, o Caps integra a estrutura da atenção básica provisoriamente. Deverá se desmembrar e compor outra diretoria que está em fase de implantação na Secretaria Municipal de Saúde (Semsa), voltada para atendimentos de média e alta complexidade, assim como a clínica de fisioterapia.

A diretora da atenção básica antecipa também que efetivou o cadastro junto ao Ministério da Saúde, solicitando a implantação do Caps III no município, com atendimento 24 horas, e do Caps AD, que atende exclusivamente a pacientes com problemas mentais em decorrência do uso de álcool e drogas.

Clínica de Fisioterapia

Para atender à crescente demanda por serviços, a Semsa realizou no primeiro semestre de 2013 a contratação de mais fisioterapeutas e estendeu o horário de atendimento na clínica de fisioterapia pública da cidade.

A clínica se localiza provisoriamente na Rua Luís Gonzaga nº 51, Bairro da Paz. Em média 750 atendimentos são realizados por mês, entre fisioterapia neurológica e ortopédica. Destaca-se também o atendimento domiciliar que atende atualmente cerca de 30 pacientes acamados.

Manoel Costa está na segunda sessão de um total de dez e elogia o trabalho da equipe. “Sofri um acidente e fiquei com o movimento da mão comprometido, já estou na segunda sessão das dez que tenho que fazer e já senti melhoras, a equipe é muito competente”, afirma o paciente da clínica.


 

Galeria de fotos

Compartilhar

1 / 31

Veja também

data: 21/03/2014 ,tema: Saúde , autor: Marcos leal Lopes

A Prefeitura de Parauapebas adquiriu um ônibus para o transporte de pacientes de Parauapebas que são submetidos a tratamento de hemodiálise no município de Marabá. A entrega oficial ocorrerá nesta sexta-feira (21), às 10h, em frente ao Hospital Municipal de Parauapebas.

data: 17/03/2014 ,tema: Saúde , autor: Marcos leal Lopes

Para preservar a saúde dos detentos e servidores da Carceragem Municipal do Rio Verde, a Secretaria Municipal de Saúde (Semsa), em parceria com a Superintendência do Sistema Penitenciário do Pará (Susipe), disponibiliza um médico para realização de consultas todas as sextas-feiras. Devido a essa ação, um caso de tuberculose foi identificado entre um dos membros da população carcerária.

data: 17/03/2014 ,tema: Saúde , autor: Marcos leal Lopes

Com o objetivo de conscientizar a população sobre a importância dos rins na saúde em geral e reduzir a frequência e o impacto da doença renal e seus problemas de saúde associados em todo o mundo, acontece nesta quinta-feira (13) o Dia Mundial do Rim. Este ano, o foco é Doença Renal Crônica (DRC) e o envelhecimento.

registrado em: